terça-feira, 5 de outubro de 2010

GINECOMASTIA

mama de homem sem ginecomastia

Ginecomastia quer dizer “mama feminina”. É definida pelo aumento da glândula mamária masculina. Uma curiosidade que tenho observado é que os pacientes ficam surpresos ao saber que é normal e fisiológico pessoas do sexo masculino possuir glândula mamária. Tanto a mama feminina quanto a masculina são formadas por glândula mamária e tecido adiposo (gordura), porém devido à ação de hormônios, a mama da mulher se desenvolve e aumenta de volume.

Quando o aumento mamário é causado apenas por acúmulo de gordura, esta é chamada de pseudoginecomastia (falsa ginecomastia)

Causas de Ginecomastia

Pode estar associada a alterações fisiológicas, patológicas ou externas que causam uma alteração hormonal, tendo como consequência o aumento do volume mamário.

Alterações Fisiológicas (Normais)

• Nascimento: devido à ação de hormônios da mãe

• Adolescência: devido a um desequilíbrio hormonal, com predomínio de estrógeno.

• Andropausa: diminuição da testosterona em relação ao estrogênio

Sabe-se que 65% dos adolescentes de 14 e 15 anos desenvolvem ginecomastia, porém a maioria das vezes esta regride no período de 3 anos, sem tratamento. Somente em 7,7% dos pacientes não ocorre esta regressão após os 17 anos de idade.

Outras Causas não fisiológicas

• Viral

• Traumática

• Criptorquidia (testículos inclusos)

• Alterações genéticas (síndrome de Klinefelter, síndrome da feminização testicular)

• Neoplasias (carcinoma adrenal, tumores de células de Leydig, tumores de células de Sertoli, carcinoma de testículo, carcinoma pulmonar, carcinoma hepático)

• Alterações Metabólicas (cirrose hepática, insuficiência renal + diálise, hipertireoidismo, desnutrição + realimentação)

• Medicamentosas (hormônios, drogas como maconha, heroína, digital, espironolactona, metildopa, captopril, cetoconazol, diazepam, cimetidina, finasterida, antidepressivos, reserpina, isoniazida, ...)

• Idiopática (causas não conhecidas)

• Familiar

Mitos em relação a Ginecomastia

A presença de ginecomastia não tem nenhuma relação com a prática de masturbação ou ausência de virilidade.

Manifestações Clínicas

O paciente apresenta aumento do volume mamário. É mais comum a ginecomastia ser bilateral (nas duas mamas) do que unilateral. Na maioria das vezes o paciente não sente nada, porém alguns podem apresentar edema (inchaço), dor, enduração (sentir a mama rígida, dura) e alteração de sensibilidade.

Pessoas com ginecomastia não apresentam predisposição ao câncer de mama.

Uma das classificações de ginecomastia é a seguinte:

• Grau I – pequena, sem excesso de pele

• Grau IIA – moderada, sem excesso de pele

• Grau IIB – moderada, com excesso de pele

• Grau III – Grande , com excesso de pele e mama pendular

ginecomastia grau 1 

 

ginecomastia grau 2B 

 

Diagnóstico

A maioria das ginecomastias não tem causa definida, porém na consulta médica podem ser investigadas prováveis causas como: uso de hormônios, medicações, tumores, ... (Vide tabela de causas de ginecomastia). Pacientes com aumento do volume mamário de longa duração, na idade adulta e sem sintomas, não necessitam de investigação laboratorial extensa. Em adolescentes deve-se aguardar de 2 a 3 anos para verificar se haverá diminuição da glândula, se isto não ocorrer será programado um tratamento.

Tratamento

O tratamento com medicações está indicado em casos selecionados.

Em casos em que se conhece a causa da ginecomastia ( vide tabela de causas), está deve ser tratada.

O tratamento cirúrgico é o mais efetuado e o de escolha para ginecomastia. A incisão está relacionada ao grau da ginecomastia.

Nas ginecomastias sem excesso de pele, realiza-se uma incisão (corte) em meia-lua na transição entre a aréola e a pele mamária, resseca-se (retira-se) o tecido mamário em excesso. Geralmente associa-se lipoaspiração a técnica de retirada da glândula.

Em pacientes com pseudoginecomastia ( mama com excesso de tecido adiposo) o tratamento pode ser somente lipoaspiração, caso não haja excesso de pele.

Quando é necessária a retirada de pele, a incisão e a cicatriz resultante são mais extensas e estas vão depender do exame do paciente para determinação da melhor abordagem e tratamento.Pode ser necessário o uso de drenos.

Anestesia


Pode ser realizada anestesia local com sedação ou anestesia geral, dependendo da programação cirúrgica.

Pós Operatório (PO)

O paciente poderá apresentar edema (inchaço), dor, equimoses (roxos), diminuição ou aumento da sensibilidade do mamilo. O edema regride cerca de 70% no primeiro mês e o restante até 6 meses. As equimoses regridem em média em 15 dias, a dor é controlada com medicação.

Recomendações Pós - Operatórias

· Evitar molhar a área de cicatriz por pelo menos 48 horas
· Evitar sol
· Repouso em média de 15 dias (dependendo da profissão e atividades habituais)
· Retorno às atividades físicas – em média 45 a 60 dias de PO
· Usar cinta (colete) por 30 dias
colete, cinta cirurgica pós operatório

6 comentários:

  1. Dra, quais sao os riscos da cirurgia á ginecomastia grau 2? isto é, no fundo, o que quero saber são os riscos existentes, da anestesia, a taxa de sucesso da cirurgia e as complicações que podem haver na própria cirurgia e mesmo no pós-operatório. o edema é na mama? Obrigado

    ResponderExcluir
  2. Dra. Carina Pereira30 de junho de 2011 17:46

    LEONARDO, os riscos da anestesia e da cirurgia são dependentes das patologias existentes no paciente ( exemplo hipertensão arterial, diabetes,...)além dos riscos existentes em qualquer procedimento anestésico cirúrgico. As complicações são dependentes da indicação cirúrgica, ou seja, as possíveis complicações são diferentes, como cicatriz alargada e alta, queloide, hematoma, seroma, entre outros, ...
    O edema é na mama.
    Espero ter respondido algumas de suas dúvidas.

    ResponderExcluir
  3. Dra Carina, no caso da Ginecomastia I é necessário também a cirurgia?

    ResponderExcluir
  4. Bom Dia, após excluidas as causas de ginecomastia e as ginecomastias da puberdade que podem regredir, se existir uma queixa, esta pode ser uma indicação de cirurgia. A cirurgia seria a com incisão em meia lua na borda da aréola associada ou não a lipoaspiração dependendo do exame físico. Dra Carina Pereira

    ResponderExcluir
  5. Dra,
    Cirurgia de ginecomastia são consideradas cirurgias plásticas reparadoras ou estéticas? Isso é determinante para, por exemplo, o convênio cobrir os custos?
    MUITO OBRIGADO!

    ResponderExcluir
  6. Bom Dia, alguns planos de saúde cobrem a cirurgia de ginecomastia.

    ResponderExcluir

Caso tenha interesse, a doutora Carina estará on-line, as segundas-feiras de 20:00 às 21:00 horas.